Arquivo

01/05/2003 - 01/12/2003
01/12/2003 - 01/19/2003
01/19/2003 - 01/26/2003
02/16/2003 - 02/23/2003
09/28/2003 - 10/05/2003

Links

Catarro Verde
Okhara
José Simão
Diarréia Mental


quinta-feira, outubro 02, 2003

 

No metrô

Parece que uma das coisas mais comuns de se observar é gente brigando no metrô. Não sei o que aquele ambiente proporciona à briga, mas fato é que muitos casais adoram resolver suas desavenças por lá. Como Pedro e Mônica naquele final de tarde de quarta feira, ambos voltando do colégio. Estavam na linha azul do metrô, mais especificamente no Paraíso, quando ele contou para ela que estava interessado em outra. Não deu outra, pobre rapaz, quando ouviu o "Como assim?" da namorada já começou a ficar branco, sabia que ela era ciumentérrima, fora corajoso.

- Eu não sei, apenas, não sei...
- Como não sabe? Você ta afim de outra, é simples isso, não pensei que fosse tão burro!
- Não foi isso que eu quis dizer, amor!
- Amor! E ainda me chama de amor? Vai chamar de amor a outra seu...Seu...

E percebeu que algumas pessoas olhavam para eles, não eram de armar barraco em público, ficaram quietos, ela olhando pela janela com os olhos vermelhos de raiva meio lacrimosos, ele olhando o corredor, como que procurando por uma rota de fuga.

- Bem, eu...
- Não fala comigo...
- Mas...
- Muito menos me toque com essa mão imunda!
- ...

Ela ia tentando tirar a aliança do dedo, parecia mais apertada do que nunca, percebendo isso ele segurou as mãos dela.

- Mô, eu não tenho certeza de nada, mas sei que te amo e não quero te perder.
- Eu disse para não encostar em mim!
- Olha para mim, nos meus olhos.
- Não consigo
- Olha!
E ela olhou
- Eu te amo!
- Canalha!
E jogou a aliança em seu colo, levantando-se para sair na estação Tiradentes. Ele logo a segurou pelos braços e ela se sentou novamente. Ficaram se olhando, ele tentava colocar a aliança em seu dedo novamente, ela relutava.

- Esquece o que eu falei ta bom?
Ela fez que não com a cabeça.
- Eu não sei porque disse aquilo, eu só disse porque tenho me aproximado de uma garota da minha rua, ela é muito bonita e eu senti atração...
- Como você pode dizer isso olhando nos meus olhos - Disse Mônica cortando a fala de Pedro - Seu Cínico!
- Eu só quero ser sincero com você! É tão difícil aceitar!
- Você não presta Pedro Augusto!
- Estou ficando cansado disso já...
- Você não presta!
- Para!
- VOCÊ NÂO PRESTA!
E saiu chorando pela estação Tiête, disposta a voltar para casa de ônibus, sozinha... Quando Pedro Augusto foi descer do trem a porta se fechou para ele.


• • • • •